Samae completa dois anos de gestão dos resíduos sólidos

O Samae completa dois anos de gestão dos resíduos sólidos no município de Jaraguá do Sul, e com resultados positivos. No dia 21 de fevereiro, os números do Programa de Resíduos Sólidos foram apresentados ao presidente do Samae, Ademir Izidoro, pela engenheira sanitarista Morgana Decker e pelo gerente do setor, Giovani Mello.

Conforme o presidente Ademir Izidoro, com base no Planejamento Estratégico, várias ações foram implementadas nos primeiros meses de gestão do contrato para atender a um pedido da Gestão Municipal que era equilibrar as contas e tornar mais eficiente a prestação deste serviço de suma importância à população jaraguaense. Alteração do sistema de cobrança dos serviços de coleta e destino dos resíduos, adequações de rotas, acréscimo de equipes e implementação da coleta seletiva na área rural estão entre as ações tomadas.

Atualmente, o setor de Resíduos Sólidos conta com 70 mil economias cadastradas. A equipe vem efetuando novos cadastros, principalmente em áreas rurais, onde o serviço de coleta não era cobrado. De acordo com Giovani Mello, o cadastramento nestas regiões deverá ser concluído até a metade de 2021. Para se ter uma ideia, somente na área rural, foram coletadas quase três mil toneladas de resíduos, uma média de 115 toneladas por mês, desde que o serviço passou a ser oferecido pelo Samae.

Neste período de dois anos, o Setor registrou 3.465 atendimentos diretos à população sobre dúvidas, sugestões e reclamações do sistema de coleta de resíduos, tanto seletiva como a convencional. Além disso, foram realizadas mais de 470 vistorias de cobrança de resíduos sólidos neste mesmo período.

 

VOLUMES

 

Em relação aos volumes coletados, pode se dizer que na coleta convencional se mantiveram estáveis, com uma média de 32 mil toneladas de resíduos por ano. Este material continua tendo como destino o aterro sanitário de Mafra-SC.

Já em relação à coleta seletiva os dados são altamente positivos, pois a reciclagem partiu de um índice de 7% em fevereiro de 2018 para 26% em dezembro de 2019. De 140 toneladas coletadas no primeiro mês de gestão do Samae, o número subiu para 740 toneladas em dezembro último.

 

MERCADO EM ALTA

 

Este volume de materiais movimentou o setor da reciclagem no município, oportunizando o surgimento de seis cooperativas a mais do que existia em 2018, sendo que na época quatro operavam na informalidade e, foram conscientizados sobre a importância da legalização. Hoje, são 12 cooperativas credenciadas pelo Samae e que recebem gratuitamente todo o material reciclável recolhido. Em dois anos, foram mais de 12,3 mil toneladas de recicláveis coletados e destinados às cooperativas, onde trabalham cerca de 120 pessoas. “As cooperativas recebem este material gratuitamente, conforme previsto na Lei 7736/2018 do Programa Recicla Jaraguá, fazem a triagem e a comercialização destes materiais, e o resultado é dividido entre todos, conforme os critérios do cooperativismo”, explica o coordenador de Resíduos. O Samae orienta as cooperativas sobre controle financeiro, compras governamentais, utilização de equipamentos de proteção individual, documentação contábil e obrigações trabalhistas. Também, fiscaliza e faz auditorias mensais em suas documentações, aplicando sanções quando necessário.

Ao mesmo tempo, a equipe de Resíduos Sólidos participa do grupo de trabalho de reciclagem designado pela Portaria nº 640/2018, e formado ainda por Fujama, Vigilância Sanitária, Secretarias de Assistência Social e Habitação, Desenvolvimento Econômico, Planejamento e Urbanismo e da Fazenda. O grupo elaborou relatório onde apontou a existência de pelo menos 50 depósitos de recicláveis considerados clandestinos.

 

ENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE

 

Para o presidente do Samae, o que mais chamou a atenção nos dados apresentados foi o envolvimento da população jaraguaense na separação dos resíduos, já que estima-se que quase 57% dos habitantes do município praticam a reciclagem. Os dados foram levantados com base na contagem populacional por amostragem do IBGE, apontando que Jaraguá do Sul tem uma população estimada em 177.697 habitantes e que a taxa média de habitantes por economia é de 3,17.

“Neste sentido, vimos que o saco verde aparece como grande incentivador da separação, sendo que foram 125 mil unidades distribuídas por mês em 2018 e, para 2020, temos programada a distribuição de 200 mil sacos verdes por mês, o que deve elevar para 70% o índice de envolvimento da população com a reciclagem”, comemora o presidente do Samae, Ademir Izidoro, enfatizando que a separação dos resíduos acaba se revertendo em muitos benefícios para a população e ao meio ambiente. As palestras, exposições e a divulgação dos dados da coleta seletiva têm contribuído para aumentar o número de pessoas que passam a separar os materiais recicláveis dentro de casa.

Já sobre a arrecadação e despesas, o Programa de Resíduos Sólidos do Samae está equilibrado, segundo os seus gestores.



2ª Via da sua fatura